quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Saracura - três-potes *** Aramides cajanea (Statius Muller, 1776)

clique na imagem para ampliar

                                                                           RESUMO:
Mede 39 centímetros. Habitante de mata, camuflada pela cor e pelo padrão da plumagem, possui o dorso castanho-esverdeado, pescoço e cabeça cinzentos, o peito castanho-ferruginoso e o bico, amarelo-esverdeado. As pernas e pés são vermelhos, com o tarso mais comprido do que o dedo médio. 
Também é conhecida por saracura-do-brejo, sericoia, sericora e três-potes. Em geral, é mais escutada do que vista. Vive no chão de áreas alagadas com vegetação densa, manguezais  margens de rios e lagoas.  Seu canto da origem  dá origem aos seus três nomes comuns mais frequentes. Escutado no clarear do dia e no escurecer, pode, no entanto, ser ouvido no meio do dia ou à noite. O canto, muito grave e alto, é um dueto entre os membros de um par e, às vezes, em coro com vizinhos. Conforme a região do país, o sotaque local produz cada um dos nomes comuns. As saracuras em geral eram chamadas pelos colonos italianos de beccaccia (se lê becatcha), devido ao seu jeito desengonçado ao levantar voo, à semelhança da galinhola europeia (Scolopax rusticola).
A saracura-três-potes (Aramides cajanea) é uma ave da família  Rallidae.

Ouça aqui o canto da saracura três-potes:http://www.wikiaves.com.br/196615&tm=s&t=s&s=10272

Local do registro:  Arroio do Moinho 1º Canguçu RS

                                                                  Possui oito subespécies:
  •                                                      Aramides cajaneus cajaneus
  •                                                      Aramides cajaneus vanrossemi 
  •                                                      Aramides cajaneus pacificus
  •                                                      Aramides cajaneus latens 
  •                                                      Aramides cajaneus morrisoni 
  •                                                      Aramides cajaneus mexicanus 
  •                                                      Aramides cajaneus albiventris 
  •                                                      Aramides cajaneus plumbeicollis 
Fonte: wikiaves

 Estado de conservação:   Pouco preocupante

Esta ave é uma das espécies de saracuras mais ouvidas por aqui,ha crenças antigas sobre seu comportamento durante a vocalização.  "Se as saracuras descem a sanga cantando vai dar seca, e se subir muita chuva no ano" 
Eu particularmente não consigo  identificar bem ainda estas saracuras, principalmente a "saracura-do-mato, saracura-três-potes e o saracuruçu", são muitos parecidos, minha opinião.

                                                     Tonico & Tinoco , “O cantar da Saracura” :

                                                    "Saracurinha três-pote, bonita e voa serena,
                                                      cantora do meu sertão, saudade feita de pena.
                                                      É o relógio sertanejo, quando a tarde vai morrendo,
                                                      despertar da madrugada, quando o dia vem nascendo.

                                                      Seu canto tem a mistura, alegria e tristeza,
                                                      a flauta que Deus lhe deu, pelas mão da natureza.
                                                     À tardinha ela canta, junto a ave-maria,
                                                     ai, outra veis nos encanta, quando vem rompendo o dia.

                                                     Saracurinha três-pote, dueto concerto alado,
                                                     saudade feita de pena, lembrança do meu passado.
                                                     És a rainha do brejo, de coração e garganta,
                                                     um lírio da madrugada, a flor cheirosa que canta.

                                                     És a princesa das água, trovando quando ela voa,
                                                     pondo um pouco de alegria, nas tristeza da Alagoa.
                                                     És a ternura da tarde, quando a noite vem chegando,
                                                     a lagartinha de fogo, os pirilampo voando.


                                                    À noite canta o curiango, joão-corta-pau no cerrado,
                                                    pulando a beira da estrada, cantando de lado a lado.
                                                    És a manhã de orvalho, de sor mansinho beijada,

                                                    abrindo a boca ainda quente dos beijo da madrugada."

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Como fazer mudas de cássia-imperial (Cassia fistula, L.) (chuva de ouro) através de sementes

  Em uma de minhas idas a Pelotas RS, aqui pertinho me deparei com esta magnifica árvore,(imagem  wikipédia) muito linda,  carregada em f...