Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

Buquê-de-noiva/ Grinalda-de-noiva Spirea cantoniensis **** (PLANTAS ORNAMENTAIS)

A  Grinalda-de-noiva  ( Spiraea cantonensis  Lour.) também designada vulgarmente  por  Coroa-nupcial  e  Buquê-nupcial  é uma pla nta da família  Rosaceae,   originária da China e Japão, mas amplamente cultivada, como planta ornamental, noutras regiões, especialmente em regiões temperadas, incluindo em Portugal, onde é frequentemente utilizada em jardins e parques públicos e também em jardins particulares. Fonte: http://obotanicoaprendiznaterradosespantos.blogspot.com.br/ Nome Científico:   Spirea cantoniensis Nomes Populares:  Buquê-de-noiva, Grinalda-de-noiva Família:  Rosaceae   Categoria:   Arbustos Clima:  Continental, Meditarrânio, Oceânico, Subtropical, Temperado, Tropical Origem: Ásia, China, Japão   Altura:  1.2 a 1.8 metros   Luminosidade:   Sol Pleno Ciclo de Vida:  Perene   Desde novinho tive contato com esta planta, e adivinhem como mais a usava?   Usava seus brotos que saiam retos a partir de galhos curvados, para faz

Bando de suiriri ***Tyrannus melancholicus Vieillot, 1819

Quase tão conhecido como o bem-te-vi e siriri, é encontrado em todo o Brasil. Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo. A população do sul do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai (parte) é completa ou parcialmente migratória. Seu nome popular, de origem onomatopeica, origina-se de sua vocalização “si-ri-ri” (Höfling e Camargo, 2002). A partir do poleiro, realiza um voo de poucos até dezenas de metros, em todas as direções, apanhando a presa no ar. Classicamente, retorna ao local de origem para consumi-la, muitas vezes batendo fortemente no galho para matá-la ou estonteá-la. Está em seu poleiro nas primeiras horas da manhã e muitas vezes permanece todo o dia, apesar do sol e calor. Além de insetos, alimenta-se de frutos, esses últimos muito consumidos por aves em migração. Aprecia muito os frutos do tapiá ou tanheiro ( Alchornea glandulosa ). Ocorre em todo o Brasil e de

*** ARAÇA-VERMELHO Psidium cattleianum Sabine 1821***

Araçá-rosa ,  araçá-amarelo ,  araçá-vermelho ,  araçá-de-comer ,  araçá-comum ,  araçá-de-coroa ,  araçá-da-praia ,  araçá-do-campo ,  araçazeiro ,  araçaeiro  ou simplesmente  araçá  é uma   árvore   da espécie  Psidium cattleianum , da família Myrtaceae.   Pequena árvore não pioneira, com altura máxima de 9 metros e copa rala. Perenifólia,  vive em ambientes úmidos e iluminados, não sendo encontrada no interior da  mata primaria. Os  frutos são  bagas  arredondadas, verdes ou amarelados (há variedades vermelhas), coroados pelo cálice persistente, de polpa suculenta esbranquiçada, semelhante a uma goiaba pequena e de sabor mais azedo. É encontrada na  Mata Atlântica,   em especial na  floresta ombrófila densa e de restinga (como, por exemplo, no município de ilha comprida, no litoral de São Paulo  mas também pode ocorrer em cerrados, matas de tabuleiro litorâneos e no Planalto Meridional.  Ocorre desde o Piauí até o Rio Grande do Sul.  É bastante cultivada em p

O canto do tico-tico-da-taquara --Poospiza cabanisi Bonaparte, 1850

Rothschildia jacobaeae Mariposa - (macho, adulto)

Família:  Saturniidae Ordem:  Lepidoptera Classe:  Insecta Filo: Arthropoda O gênero Rothschildia Grote, 1897 inclui representantes de grande porte, com hábitos noturnos e coloração de várias tonalidades de castanho, com áreas transparentes nítidas que motivou monte (1928) a atribuir o nome  comum de borboleta-espelho. Disponível em:http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fabio/article/viewFile/152/141 Local do registro: Canguçu RS

Beija-flor-de-fronte-violeta (fêmea) *** Thalurania glaucopis (Gmelin, 1788) (Dentro de casa)

O beija-flor-dourado é uma ave  apodiforme da família Trochilidae. O corpo é verde com tons dourados, sob luz adequada para dar  iridescência.  A cauda verde dourada, às vezes com mais destaque para o dourado, diferente da mencionada. O papo é levemente alaranjado. Macho e fêmea são parecidos (o livro do Sigrist não especifica diferença entre a plumagem dos sexos, apenas entre as duas subespécies H.c.chrysura e H.c. platensis), sendo essa de cores um pouco apagadas, característica perceptível somente sob excelentes condições de luz. Possui o  bico  vermelho com a ponta negra, embora a cor do bico seja ainda mais chamativa. wikiaves  Esta beija-flor entrou dentro de casa pra dar uma fiscalizada e aproveitei para fazer uns cliques. Fiquei muito contente com o registro, a princípio achei ser o beija-flor-dourado, mas olhando melhor achei estranho a cor do bico preto, e o bico dos beija flores dourado são vermelhos, juntamente com o besourinho. Mandei a foto para os amigos do w

Tucão vocalização diferente***Elaenia obscura (d'Orbigny & Lafresnaye, 1837)

** Mariposa Azul ** -Astraptes fulgerator -

Família:   Hesperiidae Habitat:   Florestas tropicais perto de rios ou córregos. Subfamília:  Pyrginae                                                       Ordem lepidoptera  Rothschildia   jacobaeae Mariposa    - (macho, adulto) Local do registro: Canguçu RS

Bando de canário-da-terra JOVENS ***Sicalis flaveola (Linnaeus, 1766)

O canário da terra de nome científico Sicalis flaveola brasiliensis, também é conhecido como canário-da-terra-verdadeiro, canário-da-horta, canário-da-telha, (Santa Catarina), canário-do-campo, Chapinha (Minas Gerais), canário-do-chão,(Bahia), coroinha, canário-da-terra e cabeça-de-fogo, é uma ave admirada por seu canto forte e estalado e por isso é frequentemente aprisionada como ave de cativeiro, (está entre as dez mais apreendidas segundo o Ibama) mesmo tal ato sendo considerado crime federal  inafiançável pela lei de crimes ambientais (Lei 9.605/98). Graças a ação das autoridades e a conscientização da população, registros de canário-da-terra vem se tornando mais frequentes nos últimos anos. Os Canários vivem em campos secos, áreas de agricultura, caatinga, bordas de matas, áreas de cerrado, campos naturais, pastagens abandonadas, plantações e jardins gramados. Quando não estão no período de acasalamento costumam ficar em bandos, podendo chegar até a grupos com dezenas de i

Lagarta de Morpho epistrophus, Fabricius, 1796

As lagartas de    M. epistrophus  vivem  gregariamente   na ponta de galhos e cobrindo o tronco de  árvores de ingá   e outras espécies vegetais,   como  Scutia buxifolia . Estas lagartas coloridas iram se transformar em lindas borboletas brancas que aparecem muito no verão, dizem que vem da Argentina. Este ano espero fotografar elas.  Local do registro: Canguçu RS

Como atrair pássaros para a nossa casa ***PÁSSAROS & NOSSA TERRA***

 Há alguns anos já que estou neste maravilhoso mundo da observação de aves, no entanto  acho que já estou pronto para as minhas primeiras considerações a respeito de como trazer estes pequeninos para mais pertinho de nossos lares.   Tenho percebido o quão fácil é atrai-los, e para isto segue abaixo minhas humildes  dicas:  1-A construção, ou aquisição de casinhas, sem dúvida lhe trará as aves mais pertinho ainda; as casas são vendidas nas casas de artesanato ou em petschop, podendo você escolher prontas, pintadinhas, ou você mesmo pintá-las, (recomendo pintar, ótima terapia.) Neste tipo de casinhas é comum se instalar a corruíra esta da foto, e também canários da terra, aqueles amarelinhos(macho) e marronzinhos claros(fêmea 2-Flores, muitas flores...Ao cultiva-las estará embelezando o lar a paisagem e também atraindo os recolhedores de néctar, os  beija-flores , e olha que aqui tem várias espécies.  (confira aqui  aqui no blog) E muitas borboletas que també

***Agapanthus africanus, (L) Hoffmanns. (Planta muito usada no paisagismo)

  Agapanthus africanus   é uma espécie de planta bulbosa   da família Amaryllidaceae com distribuição natural   na região do  Cabo da Boa Esperança na Africa do Sul. na   A espécie é utilizada como  planta ornamental   encontrando-se naturalizada em diversas regiões de clima temperado quente e mediterrânico.                                                               Espécie: Agapanthus africanus  Família: Amaryllidaceae                  Ordem: Asparagales Sub-classe: Liliidae           Classe:  Liliopsida REINO: Plantae DIVISÃO: Magnoliophyta CLASSE: Liliopsida ORDEM: Asparagales GÊNERO: Agaphantus                   L 'hér ESPÉCIE: A africanus wikipédia Sub-divisão: Magnoliophytina (Angiospermae)  Divisão: Spermatophyta  Tipo Fisionômico: Caméfito  Distribuição Geral: S África  Nome Comum: Agapanto; Tuberosa-azul;  Habitat/Ecologia:  Terrenos incultos; Ruderal;  Sinonímias:  Não tem  Época Floração: Junho - Agosto  No JB-UTAD

Tico-tico-do-campo (cantando) ***Ammodramus humeralis (Bosc, 1792) (Vídeo)

*****Eugenia dimorpha O.Berg *** (Quase ameaçada de extinção) Bioma Pampa Canguçu RS

  Eugenia dimorpha é um subarbusto ocorrente em ambientes campestres do Rio Grande do Sul desde o litoral até o oeste, estendendo-se ao longo da metade sul do Estado. É a única espécie do gênero Eugenia endêmica no Rio Grande do Sul. Avaliada na categoria de ameaça Vulnerável (VU) tem como principal ameaça a conversão de seu hábitat, os campos nativos, em lavouras de soja, plantações de árvores exóticas (pínus, acácia-negra, eucalipto) e pastagens com espécies exóticas. A lista da flora ameaçada de extinção do Rio Grande do Sul, coordenada pela Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, pode ser acessada para consultas e downloads em  LISTA VERMELHA FLORA RS . Fonte:http://www.mcn.fzb.rs.gov.br/conteudo/4961/?Conhecendo_a_flora_amea%C3%A7ada_de_extin%C3%A7%C3%A3o_no_Rio_Grande_do_Sul%3A_Eugenia_dimorpha E. dimorpha  é uma espécie herbácea considerada endêmica do Estado do Rio Grande do Sul e possuindo uma extensão de ocorrência de 170.556,74 km². Encontrada em Flo

Casal-de-pomba-de-bando *** (amargosa, avoante...) Zenaida auriculata (Des Murs, 1847)

                                                                          RESUMO: A avoante ( Zenaida auriculata ) é uma  pomba campestre, que ocorre das Antilhas a Terra  do Fogo , com distribuição isolada por todo o Brasil,  formando bandos compactos na região Nordeste  durante a migração. Essa espécie de pomba chega a medir até 21 cm de comprimento, com o dorso pardo, cabeça com duas faixas negras laterais, e manchas negras nas asas. Em certos períodos é fonte de alimentação para populações locais da  região Nordeste Nordeste do Brasil, porém tal necessidade é questionada, pois os animais são vendidos em bares para servirem como espetinhos. Também é conhecida pelos nomes de arribaçã, arribação, bairari, cardigueira, cardinheira, guaçuroba-pequena, juriti-carregadeira, pairari, pararé, parari, pomba-amargosinha, pomba-de-arribação, pomba-de-bando, pomba-do-meio, pomba-do-sertão, pomba-parari, pomba-pararu, rabaçã, rabação, rebaçã, ribaçã e ribação ou rolinha. No Brasil,